A REAL CASA HOJE


No final do XX século, a Real Casa emergiu como uma das mais fortes famílias reaisno mundo pós-monárquico. Bem educada pela sua própria história, adaptou-se ás culturas e e filosofias de hoje. As suas capacidades lutadoras,bem personificadas por SAR Dona Maria Pia são apenas igualadas pelas suas subteis e persuasivas perícias diplomáticas como evidênciado por SAR Dom Rosário .


Ganhando da sua história e adaptando-se ás ideias de hojea Real Casa mantém um número de instituições para a concelhar, guiar e representar numa variedade de situações.

 

Cortes


As Cortes são o Parlamento da Real Casa. É composto por doze membros nomeados por SAR Dom Rosário. Seis membros são nomeados de entre os Nobres e seis são nomeados por graça de SAR Dom Rosário .

 

Ministros


Os membros das Cortes são responsáveis por específicas pastas minesteriais. Ministérios individuais foram instituidos por Decreto. A Real Casa tem portanto, ex. Um Secretário de Estado, um Ministro dos Negócios Estrangeiros, um Ministro da Economia, etc.

 

Tribunal


Quatro membros das Cortes sentam-se em julgamento em qualquer alegada quebra das regras por qualquer membror. Esta organização é chamada “O Tribunal da Consciência para a Defesa da Ordem dos Cavaleiros”.
É um tribunal com um poder substancial incluindo a remoção dos previlégios e títulos nobres.

 

Ordens Nobres


A Real Casa mantem o direito de atribuir títulos a pessoas que têm prestado serviços ou que tenham feito outras acções nobres.

 

Cavaleiros


Cavaleiros são nomeados para a “Ordem dos Cavaleiros ” para toda a vida pela real Casa. o Cavaleirismo poderá ser atribuído por actos de caridade, filantrópicos e meritórios.

 

Cidadãos


Os cidadãos da Real Casa abrangem o combinado dos membros dos Nobres e Cavaleiros.

 

Concelhos


Cidadãos são nomeados para os vários Concelhos da Real Casa. Concelhos correntemente activos são o “Concelho das Diligência Devidas”, (que investiga e reporta quaisquer possiveis parceiros para instituições ou empresas da Real Casa); o “Concelho para a Aquisição do Principado” (que está a preparar a Real Casa e as suas Instituições para a mudança para o Principado); e o “Concelho das Comunicações” (que aconselha na percepção pública e internacional da Real Casa e das suas instituições e gere as relações entre a Real Casa, o Governo de Portugal, outros governos, instituições internacionais e os media). Estes Concelhos reportam às Cortes.

 

Caridade


Caridades são de dois tipos:
Caridades estabelecidas pela Real Casa e que são geridas por cidadãos por turnos. Os seus principais objectivos são os de ajudar os pobres e desprotegidos e os que sofram de fome ou de desastres naturais. São fundados pela Real Casa e por cidadãos individuais. Mantêm um envolvimento directo no terreno nas suas operações.

Caridades estabelecidas por SAR Dom Rosário pessoalmente e representadas por ele na qualidade de Presidente. Estas Caridades tendem a estar ligadas a actividades de Portugal e a família de Bragança.

 

Diário Oficial


Todas as actividades da Real Casa serão registadas no “Diário Oficial da Real Casa” que é mantido por uma comissão de três pessoas.